Jota de Copas

Dia 9: O que significa desejar que alguém seja feliz?

Bom fim de semana para todos! Eis a newsletter deste sábado, nono dia da campanha 100 Dias de Amor-Bondade, da Wildmind:

Ontem, discuti o que significa dizer “Que você esteja bem”, e como não se trata de simplesmente desejar saúde física. Hoje, gostaria de falar sobre o que significa dizer “Que você seja feliz” e, novamente, não é algo tão simples quanto parece.

Uma pergunta comum é por que devemos cultivar metta por pessoas que causam problemas para aqueles ao nosso redor, ou infligem dor aos outros. Naturalmente, não queremos que elas continuem espalhando destruição, mas queremos ser felizes mesmo quando elas o fizerem.

De um ponto de vista budista, a verdadeira felicidade não é algo que se pode colar em uma existência vivida de forma profundamente inabilidosa. A verdadeira felicidade é, na verdade, resultado de uma vida vivida com habilidade, e sendo assim, ao desejar que uma pessoa difícil seja feliz, estamos desejando que ela seja uma pessoa consciente e que crie felicidade. A psicologia ocidental diz a mesma coisa. Psicólogos descobriram que dentre as características de pessoas felizes estão andar rodeadas de amigos e parentes, não tentar se comparar aos vizinhos, perdoar facilmente, mostrar gratidão em abundância e ter generosidade para com os outros.

É provável que seu chefe – ​​materialista, obcecado por status e mal-humorado – não tenha muitos destes traços de caráter. Agora, é possível também que alguém tenha todas as qualidades hábeis mencionadas acima, e muitas outras, e ainda assim faça coisas que prejudiquem os outros. Algumas pessoas que normalmente são boas têm falhas profundas. Mas estas falhas são inevitavelmente uma fonte de conflito interno e sofrimento para elas, por isso, ao desejar que sejam felizes, desejamos que elas estejam livres das falhas que causam sofrimento a elas (e a outros).

Quando desejamos felicidade a alguém, estamos desejando que a pessoa se torne um ser humano empático, eticamente responsável e consciente. E, na verdade, isso é uma coisa difícil de se desejar a qualquer um. Quando deixamos de agir de forma inabilidosa e nos tornamos mais conscientes e amorosos, começamos a olhar para as nossas vidas e temos que aceitar a responsabilidade pelo mal que fizemos, ou que estamos fazendo. E isso é uma coisa muito dolorosa de se fazer. Lembro-me das palavras de Rilke: “Pois nela não há lugar / Que não te mire: precisas mudar de vida”. O auto-conhecimento torna-se o ponto a partir do qual somos vistos, e quando nos tornamos conscientes de nossas falhas, uma certa quantidade de tensão se desenvolve, até que, em algum momento, somos confrontados com a escolha entre continuar sofrendo com tal tensão ou mudar as nossas vidas – às vezes dolorosamente.

Muitos de nós passamos por isso quando começar a praticar meditação e budismo. É como se a vida de repente se tornasse mais complexa. Em vez de nosso problema ser o fato de termos um chefe detestável, agora é o fato de que (1) nosso chefe se comporta de uma maneira que não gostamos, e (2) precisamos gerenciar nossas próprias reações de forma ética. Em vez de um problema, agora temos dois!

Não estou sugerindo que a gente deseje dor a ninguém. Estou apenas lembrando que desejar a verdadeira felicidade a alguém não é esperar de que a pessoa ganhe um passe livre que lhe absolva do mal que causou. É desejar que a pessoa seja vista por sua própria consciência, e que faça o trabalho duro que esta “visão” exige.

Com metta (bondade),
Bodhipaksa

[Nota da tradução: o poema O torso arcaico de Apolo de Rainer Maria Rilke mencionado neste boletim foi traduzido em português por Paulo Quintela.]

Acompanhe todas as traduções dessa série aqui.

Citação

A meditação é uma função do estar feliz

“A meditação é necessária somente porque você não escolheu ser feliz. Se você tivesse escolhido ser feliz, não haveria nenhuma necessidade de meditação. A meditação é medicinal: se você está doente, então o medicamento é necessário. Os Budas não precisam de meditação. Uma vez que você começou a escolher a felicidade, uma vez que você decidiu que você tem que ser feliz, então nenhuma meditação é necessária. A meditação começará a acontecer naturalmente, por ela mesma.

A meditação é uma função do estar feliz. A meditação segue o homem feliz como uma sombra: em qualquer lugar que ele for, qualquer coisa que ele estiver fazendo, ele estará meditativo. Ele estará intensamente centrado. […]

A meditação ocorre naturalmente a uma pessoa feliz. A meditação ocorre naturalmente a uma pessoa alegre. A meditação é muito simples para uma pessoa que pode celebrar, que pode curtir a vida. Mas você tem tentado isso de uma outra maneira, e assim não é possível.”

~ Osho, em A Sudden Clash of Thunder (Tradução: Sw. Bodhi Champak). Fonte.

Dia 6: Olhando com um olhar amoroso

Tradução da newsletter do sexto dia da campanha 100 Dias de Amor-Bondade, da Wildmind:

Vou compartilhar aqui uma maneira de se relacionar, que chamo de “olhar amoroso”. Se você participou do nosso desafio 28 dias de Meditação, será algo muito familiar. Peguei esta abordagem é emprestada de Jan Chozen Bays, que descreve a prática de “olhos amorosos” em Como Domar um Elefante. Neste livro, ela diz:

Sabemos usar olhos amorosos quando estamos nos apaixonando, quando vemos um bebezinho ou um animal fofinho. Por que não usar os olhos amorosos com mais frequência?

Então o que podemos fazer é nos lembrar, ou até mesmo apenas imaginar, a experiência de olhar com olhos amorosos. Podemos recordar ou imaginar que estamos olhando para um filho amado, um bem-querer, ou até mesmo um animal de estimação. Eu sempre me lembro de quando vejo os meus filhos dormindo. Acho que os sentimentos de carinho, apreço e aceitação são muito transferíveis, então uma vez que a gente tenha evocado um olhar amoroso dessa forma, podemos transferir os mesmos sentimentos ao olhar amorosamente para nós mesmos. Ao observar nosso corpo,  respiração, pensamentos, etc, podemos olhar para eles com olhos amorosos.

E uma vez que a gente o tenha evocado para nós mesmos, podemos então transferir o olhar amoroso para os outros: amigos, pessoas que não conhecemos, pessoas que estejam passando por dificuldades, animais, todos os seres…

Eu acho que esta é uma maneira muito rápida de ajudar a bondade a surgir.

E quando fazemos isso, tudo o que experimentamos parece tornar-se mais suave e mais leve. O mundo aparenta ser um lugar mais bonito, às vezes de tirar o fôlego. Mesmo as partes feias da vida parecem bonitas em sua feiúra. Podemos sentir que estamos apaixonados pela vida. E começamos a perceber que o mundo é a nossa experiência do mundo, o que não é separável de nós mesmos. E assim, quando mudamos, o mundo como percebemos também muda. O mundo de nossa experiência se torna mais amoroso, mais leve.

Há algo que Chozen diz sobre isso que sempre me deixa sentindo como se meu coração estivesse todo aberto:

Ver com olhos de amor não é uma experiência de via única, nem apenas uma experiência visual. Quando tocamos algo com olhos amorosos, levamos um certo calor do nosso lado, mas também podemos nos surpreender ao sentir o calor irradiando de volta para nós. Começamos a nos perguntar: será que tudo no mundo é feito de amor? E será que eu o estou bloqueando? [grifo nosso]

Experimente, tanto em sua prática de meditação quanto no seu cotidiano. Você pode começar agora mesmo, enquanto seus olhos passam pelas palavras na sua frente. Olhe com amor e, em seguida, leve esse olhar amoroso para a sua próxima atividade.

Com metta (bondade),
Bodhipaksa

Acompanhe todas as traduções dessa série aqui.

Nota

Meditações de aniversário

Um email do Personare me alertou que, para a astrologia, o ‘ano novo’ de verdade começa no nosso aniversário, quando o sol volta ao ponto exato em que se encontrava no momento do nosso nascimento, simbolizando o início de um novo ano pessoal.

O dia do aniversário é então um bom momento para refletir sobre o caminho que trilhado nos últimos anos, e na minha opinião, um dia ótimo para meditar sobre o que queremos dos próximos 365 dias que temos pela frente (ou não!), e reverenciar a nossa alma, contemplando a experiência dela nos anos que passaram e parabenizando-a por tudo o que passou para chegar a mais esse aniversário.

Acordei inspirada a fazer algo especial na minha prática meditativa já que esse é o primeiro aniversário no qual meditação é parte do meu cotidiano. Encontrei uma meditação especial para o dia do aniversário, que traduzo a seguir, e pretendo adaptá-la e montar a minha própria meditação de aniversário – exatamente do jeito que minha alma gosta – em uma hora extra que quero tirar para sentar hoje a noite.

Do Open Source Meditation:

Prepare-se para meditar como de costume.
Reserve um momento para encontrar sua música favorita. Se puder, visite o seu lugar favorito na natureza. Esteja só com a sua alma.
Presenteie a sua alma com todo o conforto. Flores frescas, um bom incenso, acenda uma vela. Tudo o que você quiser e gostar. Tire um momento para se preparar com verdadeira reverência e amor.
Em seguida, feche os olhos. Sinta-se mergulhando cada vez mais fundo dentro do seu próprio coração. Sinta que essa meditação será o ponto de partida para experiência meditativa mais profunda e mais alta que você já teve.
Imagine a sua melhor experiência de meditação. Ponha-se nela.
Em seguida, mergulhe mais fundo. Há uma infinidade dentro de você. Sinta que quanto mais profundo e mais alto você mergulhar, mais esse amor infinito expande-se dentro de sua visão.
Quanto mais fundo mergulhar dentro de si mesmo, mais você se conectará ao mesmo infinito dentro de todas as outras pessoas. Quanto mais se conectar, mais você sentirá o poder de todos e de cada coisa.
Você está na fonte. Você está profundamente dentro de sua própria alma. A única alma que há.
Depois de algum tempo, relaxe um pouco. E então contemple sua visão mais elevada de si mesmo. O que você estaria fazendo a cada dia se estivesse vivendo totalmente a sua maior versão? Se não pudesse falhar.
Você estaria meditando mais ? Ajudando aos outros ? Amaria sua família e amigos de forma mais aberta e incondicional? Sem expectativas? Será que o seu trabalho seria mais alinhado com as coisas que você ama? Que você seria mais gentil com seu corpo? Comeria melhor? Faria mais exercício físico? Trataria melhor a sua mente? Leria mais? Faria as coisas mais inspiradas e criativas…
Tire um momento agora, ao final desta meditação, para dedicar-se novamente ao maior potencial de sua vida. Pelo resto do dia do seu aniversário, reserve tempo para visualizar o que o seu Eu Maior estaria fazendo. Faça tudo no decorrer do dia completamente alinhado com a visão mais elevada. Faça deste, o dia da sua alma, um dia em que você colocar uma bandeira no chão, dizendo que este é o começo do resto da sua vida, a sua vida mais elevada, a sua vida mais feliz, a sua vida mais repleta de amor.